Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos

Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos -

Ranking: Janeiro de 2015

A partir deste ranking mensal, os membros da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos também poderão submeter as suas avaliações para títulos lançados na plataforma video on demand, o que ampliará não somente o número de títulos a aparecer nos resultados, como também a listagem de filmes elegíveis para o Blog de Ouro, nossa premiação anual.

 

A princípio parece uma história edificante sobre um músico determinado e o maestro rigoroso que, com seus métodos pouco ortodoxos, o empurrará rumo à excelência. Com uma abordagem semelhante à feita em filmes como Shine e Cisne Negro, Whiplash evita o preto no branco e trabalha em zonas cinzentas.


Erika Liporaci (RJ)Whiplash: Em Busca da Perfeição
Erika Liporaci, Artes & Subversão

 

Em um mês agitado para os cinéfilos interessados em realizar maratonas com filmes finalistas ao Oscar, janeiro traz como destaque “Whiplash: Em Busca da Perfeição”, vencedor em três categorias: Melhor Mixagem de Som, Melhor Montagem e Melhor Ator Coadjuvante (J.K. Simmons). Um pouco atrás aparece “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”, então o grande vencedor do Oscar de Melhor Filme.

.

Iñarritu não poupa ninguém, desde os estúdios que vomitam continuações atrás de continuações, passando pela imprensa, que se mostra superficial mais interessada em repercutir escândalos e flagras constrangedores do que divulgar bons artistas e seus trabalhos, até mesmo a própria crítica que, para o filme, muitas vezes se limita a prender os produtos e artistas a determinados rótulos e ideias preconcebidas do que realizar qualquer esforço analítico verdadeiro.

.

Lucas Ravazzano (BA)Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
Lucas Ravazzano, Rapsódia Boêmia

.

Outros filmes da temporada Oscar aparecem com destaque na lista, como “Timbuktu”, “Leviatã”, “Foxcatcher” e “Livre”, mas é importante também observar algumas opções do circuito alternativo com ótima visibilidade, como “O Segredo das Águas”. Do veterano Brian De Palma, “Paixão” é o único filme lançado no país exclusivamente em video on demand a atingir a amostragem mínima para figurar no ranking.

 

Há lugar para beleza e delicadeza nesse filme, mas a diretora nunca permite que isso se torne um subterfúgio estético maior que os dramas de seus personagens.

.

Rafael CarvalhoO Segredo das Águas
Rafael Carvalho, Moviola Digital

 

Entre as produções nacionais, o documentário “Cássia” e a ficção “Depois da Chuva” foram apreciados pela maioria dos membros, enquanto “Amor, Plástico e Barulho” dividiu opiniões. “Busca Implacável 3″ vem como o lanterna da vez, obtendo uma das médias mais baixas já registradas em um ranking mensal.

.

SBBC - Ranking de Janeiro-2015

Novos Membros da SBBC 2015

A Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos divulga agora a lista de inscritos selecionados a integrar o nosso quadro de membros. Após o período de recebimento das candidaturas, uma comissão interna foi formada para selecionar até dez nomes entre todos os avaliados. Entre os critérios julgados, há a periodicidade, o domínio da escrita, o poder de argumentação, o design e a contribuição para a blogosfera.

A seguir, listamos os dez blogueiros cinéfilos aprovados pela comissão. Desejamos boas vindas aos nossos novos colegas e contamos com a colaboração de todos para fortalecer o nosso trabalho.

 

Novos Membros SBBC

Daniel Kojak, Arrotos Culturais (SP)
Daniel Medeiros, 7 Marte (SC)
Gabriel Dominato, Avant, Cinema! (PR)
José Rodrigo Baldin, Central 42 (SP)
Lynn Fracis Colling, Película Criativa (PR)
Marcus Augusto Lamim, Horror Reviews and Something Else (SP)
Raphael Reyna Carrozzo, Janela Cinematográfica (RS)
Thiago Aparecido Martins Borges, A Noite Americana (SP)
Tullio Dias, Cinema de Buteco (MG)
Vinicius Carlos Vieira, Cinemaqui (SP)

Inscrições para novos membros 2015

.:: INSCRIÇÕES ENCERRADAS ::.

A partir de hoje, a Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos precebe inscrições de candidatos interessados em participar do nosso grupo. Fundada em 2007, a SBBC tem como principal missão valorizar o trabalho realizado de modo independente de editores de blogues e sites através da promoção de atividades que estabelecem resultados coletivos, tais como os rankings mensais, os especiais sobre grandes nomes do cinema e o Blog de Ouro, premiação dos melhores do ano que recentemente concluiu a sua oitava edição.

Além de sua contribuição nos eventos descritos, um membro da SBBC tem o seu trabalho divulgado através das redes sociais e a presença em um fórum para o debate sobre as nossas atualizações e iniciativas. Portanto, é importante que um novo membro esteja ciente dessas responsabilidades antes de submeter a sua inscrição, que será validada a partir de uma comissão interna que avaliará criteriosamente cada um dos candidatos.

Para prosseguir com a candidatura, é necessário escrever uma mensagem para sociedadebbc@gmail.com contendo o nome completo, a cidade e o estado, o endereço do blogue para o qual escreve e os perfis em redes sociais. As inscrições acontecem até a próxima sexta-feira, 13 de março, até às 23h59. Recomendamos atenção especial às regras a seguir – bem como uma leitura em nosso Estatuto:

• Para se candidatar, você deve ter ao menos 6 meses de atividade na blogosfera.

• Membros de um mesmo blogue devem se submeter individualmente na inscrição. Nos dados é recomendado que deixem links de seus respectivos textos de maneira a serem analisados pela contribuição individual. Candidatos que escrevem para sites coletivos também devem deixar links para seus textos.

• Blogues que não respeitarem os princípios éticos passarão por uma rigorosa avaliação da direção, podendo ser automaticamente eliminados antes da votação com os demais membros.

Para tirar dúvidas, também recomendamos o uso do campo de comentários.

Blog de Ouro 2015: Melhor Filme

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Filme

.

[A]o seguir doze anos da vida de um garoto, Richard Linklater constrói uma sociedade onde cada pessoa apresenta virtudes admiráveis e ensinamentos de que o ser humano não precisa ser aquele que todos querem que ele seja, nem se amedrontar em tocar sua vida em meio a um senso comum que diz que tudo dará errado. Novos tempos existem e vão chegando, e nós, quando percebemos, já estamos inclusos nele. Querendo ou não, a adaptação a um novo meio fala mais alto, e como no final tudo dá certo, percebe-se que há sim várias formas de ser feliz e fazer tudo valer a pena. [Brenno Bezerra]

.

[U]m dia com muitas nuvens no céu, ao som de ‘Yellow’, do Coldplay. Vemos um menininho de olhos claros, sob a grama da escola apreciando aquela vista, imaginando alguma aventura, vendo o tempo passar. Boyhood é o retrato do coming-of-age, ou seja, da infância à juventude como resume o subtítulo, reforçando a lógica de que o tempo passa depressa para todos nós e é preciso aproveitar cada momento, antes que seja tarde. [Mayara Bastos]

Blog de Ouro 2015: Melhor Ator

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Ator

.

[T]rabalhando com um diretor que, certamente, é um dos responsáveis pela sua consolidação como grande ator, DiCaprio tem aqui a melhor atuação da carreira. Como Jordan Belfort, ele alterna com grande talento entre os registros cômico e dramático. Basta citar três momentos distintos para notar essa versatilidade: qualquer um dos discursos quase hipnóticos para os funcionários, a conversa cheia de entrelinhas com o agente do FBI e a excepcional cena da paralisia facial. [Adriano Garrett]

.

[L]eonardo DiCaprio carrega o filme nas costas, ajustando sua interpretação de modo exemplar a cada uma das fases e facetas do personagem, que começa como um rapaz esperto e ambicioso e logo parte para caminhos fascinantes e, ao mesmo tempo, sombrios. Qual é o limite de alguém que de fato chega a ser o “rei do mundo”? O que satisfaz a sede de adrenalina de quem já fez de tudo e, pior, que pode tudo? [Erika Liporaci]

Blog de Ouro 2015: Melhor Atriz

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Atriz

.

[P]ara estabelecer um ponto de referência para o que é feito aqui, é preciso buscar em nomes mais perversos do cinema de gênero solto pelo mundo, como os mais sádicos de Pedro Almodóvar e Alfred Hitchcock. E, se Fincher é genial ao dar descarga em padrões estabelecidos do bom cinema, ele tem a ajuda crucial de Rosamund Pike para isso. Espero que a sua performance sobrenatural seja reconhecida com a força que merece e que ela não seja prejudicada pela busca a um realismo que, confio, não se pretende presente. [Cesar Castanha]

.

[A] atriz, que não havia tido ainda grandes oportunidades na carreira, personifica Amy com inteligência, criando uma personagem dissimulada e de atitudes constantemente mutáveis de acordo com a situação. Além disso, há uma ponta calculada de exagero em sua atuação que a deixa em completa sintonia com o restante do longa. É isso que ajuda a fazer com que o filme finalmente se torne a história dela. [Leonardo Maran]

Blog de Ouro 2015: Melhor Direção

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Diretor

.

[A]o estabelecer o tempo como parâmetro para a feitura de seu filme, para a evolução dos personagens e para a exposição de seus conflitos, por mais triviais que eles sejam, durante as 2h45min de filme, Linklater aposta em um cinema imersivo, de entrega e paixão. A ação do tempo já estava presente na trilogia “Antes do amanhecer”, mas aqui ganha mais relevância dramática por sublinhar toda uma ascensão geracional. [Reinaldo Glioche]

.

[M]uito fácil, para não dizer tentador, se deixar levar e se fascinar somente pela brilhante ousadia do cineasta Richard Linklater em seu mais recente trabalho, Boyhood. Filmado em um período de pouco mais de 40 dias ao longo dos último 12 anos, Boyhood não é apenas um triunfo do ponto de vista técnico, mas uma das viagens mais arrebatadoras por um dos caminhos mais triviais que se possa imaginar: a vida de um jovem de classe média americana, dos 6 aos 18 anos. [Márcio Santos]

Blog de Ouro 2015: Melhor Fotografia

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Fotografia

.

[A] fotografia em preto e branco faz com que cada cena se pareça com uma pintura, o uso perfeito do chiaroscuro aliado ao enquadramento pouco convencional tornam o filme uma obra de arte das mais belas e impressionantes que vi nesses últimos anos. É curioso perceber, por exemplo, que a personagem, deslocada em seu mundo, nunca aparece no centro da tela, ela está sempre à margem tal qual como se sente na vida. E quando ela chora, por perceber que talvez não pertença àquele lugar, não conseguirmos ver seu rosto inteiro, apenas seus olhos, suas lágrimas, seu corpo incompleto. [Eder Alex]

.

[E]m Ida, o sentimento mais presente é o da desesperança. Em relação à vida, ao futuro e ao passado. É como se a vida passasse em branco, nem mesmo as grandes decisões têm emoção ou são recheadas de sentimentos. Simplesmente acontecem. Indiferença. A fotografia contribui para isso. Triste, sombria, sem cor, nevada e gelada, a atmosfera do inverno polonês comunista é devastadora e nada inspiradora. [Suzana Vidigal]

Blog de Ouro 2015: Trilha Sonora

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Trilha Sonora

.

[P]ara o terceiro filme do diretor Jonathan Glazer, a jovem compositora inglesa Mica Levi cria algo altamente representativo do que a trilha para Cinema deve ser: sua música é tão intrínseca à imagem e ao que esta representa, que acaba por ser elemento indissociável da sinergia aterrorizante, absortiva e desoladora que se vê em tela. Os sons dissonantes, incômodos, densos, derivam de seu estilo altamente experimental já conhecido de trabalhos à frente do grupo Micachu & the Shapes, e refletem com a devida estranheza o tanto de ânsias e descobertas por que passa a personagem de Scarlett Johansson – e há um brilhantismo em acompanhar musicalmente a trajetória da protagonista com a mesma sutileza com que ela se desenvolve, ainda que se permitindo maiores variações em momentos mais significativos, como aquele que traz a composição “Love”. Sob a Pele é apenas o primeiro trabalho de Levi para o Cinema, mas já se tornou um desses casos notáveis e referenciais. Um assombro! [Mateus Denardin]

Blog de Ouro 2015: Melhor Ator Coadjuvante

SBBC - Blog de Ouro 2015. Melhor Ator Coadjuvante

.

[T]ão competente quanto McConaughey é o trabalho de Jared Leto, irreconhecível como Rayon. Além de passar pelo mesmo regime de seu colega de elenco para exibir a magreza doentia do personagem, o ator também transforma sua aparência e sua dicção para dar vida ao personagem transgênero. O trabalho de Leto nos permite perceber que por trás da confiança de Rayon há uma grande solidão e sofrimento, provavelmente nascidos da relação problemática com o pai, sentimentos que tenta sufocar através do seu abusivo e perigoso consumo de drogas, algo que poderá ser sua ruína. [Lucas Ravazzano]

.

[I]nevitável discorrer sobre o filme sem tecer elogios à entrega radical de McConaughey e Leto aos seus respectivos papéis, nos quais se revelam tão bem encaixados que não caímos na tentação de imaginar outros atores em cena. Ambos dotados de nítida beleza, eles precisaram encontrar o avesso de si mesmos, perdendo muitos quilos no caminho e se afastando de qualquer glamour. Uma rápida olhada em suas trajetórias até ali permite constatar que as escolhas de Leto sempre foram mais criteriosas: já foi dirigido por nomes como David Fincher em Clube da luta e O quarto do pânico e Darren Aronofsky em Réquiem para um sonho, pelo qual já merecia vitória junto à Academia. [Patrick Corrêa]